Política de privacidade

O portal O Economista, sempre buscando a sua segurança e a melhor experiência on-line, desenvolveu este espaço para que você conheça detalhadamente a maneira que utilizamos seus dados pessoais. Recomendamos que você leia nossas explicações atentamente. É a nossa forma de mostrar os cuidados que tomamos com a sua segurança e o uso dos dados que você compartilha conosco.

Para garantir regras claras e precisas, O Economista pode alterar essa política de tempos em tempos. Por isso, fique sempre atento a este canal. Indicaremos aqui, ou por e-mail, qualquer mudança substancial na nossa Política de Privacidade.

1 – Como e por que coletamos as suas informações

As suas informações pessoais coletadas pelo portal O Economista são aquelas que você fornece voluntariamente, quando se cadastra no portal. Durante o processo de registro, questionamos o seu nome, endereço de e-mail e outras informações pessoais.

Além disso, quando o usuário acessa nosso portal, seu endereço de IP (Protocolo da Internet) é automaticamente coletado e armazenado. O Economista também recolhe informações sobre o browser que você utiliza, de modo que cookies são alocados em seu computador por parte do nosso site.

2 – O que são feitas com as suas informações

O Economista se responsabiliza em não vender, alugar ou comercializar as informações pessoais que você fornecer de forma on-line a terceiros.

Nós faremos isso sem que haja o seu consentimento somente em casos em que seja necessária a cooperação com autoridades governamentais em investigações criminais, conforme exigido por lei ou ordem judicial, e para executar ou proteger os termos de serviços da empresa.

3 – O que são cookies?

Cookies são pequenos arquivos de texto enviados e armazenados em seu computador. Eles servem para reconhecer, acompanhar e armazenar a navegação na internet e, assim, melhorar a experiência que você tem ao visitar determinada página. Desse modo, é possível ver mais do que você deseja e menos daquilo que você não gosta. As informações contidas nos cookies podem ser utilizadas para preencher previamente os formulários de coleta de dados existentes na internet.

Em geral, os cookies são utilizados para proporcionar serviços diferenciados, lembrando quem você é e quais são os seus hábitos de navegação. Com eles, também conseguimos calcular a audiência do portal O Economista, medir certos padrões de navegação, mapeando quais áreas que você visitou e seus hábitos de visita como um todo.

Seu navegador, no entanto, possui uma área para deixar a administração de cookies de acordo com suas preferências. Para saber como fazer isso, se você desejar, consulte o campo de ajuda do seu navegador.

4 – Para que servem as informações coletadas?

Nosso objetivo é, principalmente, personalizar a comunicação de acordo com os seus interesses. Ao fazer isso, esperamos fornecer melhores serviços, moldando nossas comunicações para atenderem às suas expectativas.

Contudo, sempre lhe daremos a oportunidade de optar por permitir ou não o uso das suas informações em comunicações futuras. Em toda comunicação que fizermos diretamente com você (especialmente via e-mail), nós fornecemos uma maneira para cancelar o recebimento de futuros e-mails, caso essa seja a sua opção.

6 – Segurança no acesso a outros sites

Alguns materiais do portal O Economista contêm links de/para outros websites. Nós não nos responsabilizamos pelas práticas de privacidade deles. Por isso, incentivamos você a verificar as práticas de privacidade de todos os sites visitados.

7 – Cuidados gerais

Por maiores que sejam nossos esforços em garantir a sua segurança e privacidade, é importante que você esteja atento e busque formas de se proteger no ambiente on-line. Por isso, recomendamos:

  • Tome conhecimento da Política de Privacidade de todos os sites que você visita. Isso é importante para você saber se está seguro e se suas informações estão bem guardadas.
  • Monitore o comportamento de crianças na internet. Cuide principalmente para que elas não preencham formulários, nem forneçam senhas e qualquer informação pessoal na rede, principalmente em locais que você não tem certeza sobre quão seguros são.
  • Use senhas complexas, combinando números e letras, alternando maiúsculas e minúsculas, sem repetir caracteres. Senhas simples são fáceis de serem quebradas. E nunca a forneça para ninguém: guarde essa informação exclusivamente para você.