juros

O percentual de famílias endividadas alcançou 57,1% em julho de 2017, segundo a Pesquisa de Endividamento e Inadimplência do Consumidor (Peic), apurada pela Confederação Nacional do Comércio de Bens, Serviços e Turismo (CNC). O número representa uma alta em relação aos 56,4% observados em junho.

Apesar da alta no percentual de famílias endividadas, a proporção das famílias com dívidas ou contas em atraso diminuiu entre junho e julho, passando de 24,3% para 24,2% do total. Em relação a julho de 2016, houve alta de 1,3 ponto percentual.

A parcela de famílias que declararam não ter como pagar as dívidas, permanecendo inadimplentes, apresentou queda na base mensal, atingindo 9,4% das famílias ante 9,6% em junho, e aumento de 0,7 ponto percentual na base anual.

Embora a proporção de famílias que se declararam muito endividadas tenha registrado leve alta na comparação mensal – de 13,8% para 14% –, na comparação anual houve queda de 0,7 ponto percentual.

O tempo médio de atraso para o pagamento de dívidas foi de 63,1 dias em julho de 2017, superior aos 62,4 dias de julho de 2016. Em média, o comprometimento com as dívidas foi de 7,1 meses, sendo que 32,4% das famílias possuem dívidas por mais de um ano. Entre aquelas endividadas, 21,6% afirmam ter mais da metade da sua renda mensal comprometida com o pagamento de dívidas.

Para 76,8% das famílias que possuem dívidas, o cartão de crédito permanece como a principal forma de endividamento, seguido de carnês (15,4%) e crédito pessoal (11%).

“Apesar de ter aumentado em julho, o percentual de famílias com dívidas registrou queda na comparação com o mesmo período do ano anterior, apontando um ritmo ainda fraco de concessão de empréstimos e financiamentos para as famílias, mesmo após o processo de queda das taxas de juros”, pontua Bruno Fernandes, economista da CNC.

Comentários

Saiba mais sobre e-learning