taxa de desemprego

A taxa de desemprego no Brasil foi de 12,6% no trimestre terminado em agosto, registrando uma queda de 0,7 ponto percentual em relação ao trimestre encerrado em maio. Os dados foram divulgados nesta sexta-feira (29) pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

O número de desempregados no período ficou em 13,1 milhões, o que representou queda de 4,8% (menos 658 mil pessoas), em relação ao trimestre anterior. Na comparação com o mesmo trimestre do ano anterior, quando havia 12 milhões de pessoas desocupadas, esta estimativa subiu 9,1% (mais 1,1 milhão de pessoas).

A população ocupada chegou a 91,1 milhões e apresentou aumento de 1,5% em relação ao trimestre anterior (mais 1,4 milhão pessoas). Na comparação com o mesmo trimestre do ano anterior, quando havia no Brasil 90,1 milhões de pessoas ocupadas, este indicador apresentou variação positiva de 1% (mais 1 milhão de pessoas).

O número de empregados com carteira de trabalho assinada ficou em 33,4 milhões, apresentando estabilidade frente ao trimestre anterior (março a maio de 2017). No confronto com o mesmo trimestre de 2016, houve queda de 2,2% (menos 765 mil).

O número de empregados sem carteira de trabalho assinada (10,8 milhões de pessoas) cresceu 2,7% em relação ao trimestre anterior, representando um incremento de 286 mil pessoas. Em relação ao mesmo trimestre do ano anterior, houve aumento de 5,4% (mais 552 mil pessoas).

A categoria dos trabalhadores por conta própria (22,8 milhões de pessoas) cresceu 2,1% em relação ao trimestre encerrado em maio (mais 472 mil pessoas). Em relação ao mesmo período do ano anterior, também houve variação positiva: 2,8% representando um aumento de 612 mil pessoas.

O rendimento médio real habitual (R$ 2.105) no trimestre encerrado em agosto manteve estabilidade frente ao trimestre anterior (R$ 2.116) e, também, em relação ao mesmo trimestre de 2016 (R$ 2.066). A massa de rendimento real habitual (R$ 186,7 bilhões) no trimestre encerrado em agosto de 2017 também ficou estável nas duas comparações.

Foto: Agência de Notícias do Paraná

Comentários

Melhore sua saúde financeira e tenha uma vida melhor